Berlim, Alemanha

. 22 junho, 2018 .
No final do mês de maio e após ter acabado a faculdade em Copenhaga decidi tirar proveito da proximidade com a Alemanha e de dar um saltinho à capital, Berlim.

A escolha do hotel recaiu sobre o Scandic Berlin Kurfürstendamm, localizado numa rua paralela a uma famosa avenida de Berlim cheia de lojas de designers, restaurantes e das ruínas da Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche. A apenas 10 minutos do Zoo de Berlim e do trendy Bikini Berlim - um centro com showrooms e exposições.

Nos quatro dias, em que andei a passear pela maior cidade do país sozinha, dividi-me pelo itinerário que criei com a ajuda do site Lonely Planet (optei por não comprar um guia turístico, decidindo investigar através da internet) que me permitiu descobrir pequenas curiosidades sobre os vários distritos e lugares.

   

De igual modo, ao realizar uma bus tour pela cidade logo no primeiro dia fiquei com uma melhor percepção da verdadeira magnitude da cidade e dos seus pontos históricos - ou dos que restaram após os bombardeamentos da 2ª Guerra Mundial.

Nos restantes dias visitei os mais emblemáticos monumentos da cidade. Estes foram os meus preferidos:

1. Reichstag Palace
Embora não tenha entrado, colocar-me à frente do parlamento federal alemão era obrigatório. Mas, para quem queira subir à famosa cúpula de vidro pode fazê-lo inscrevendo-se, com antecedência, no site oficial do palácio.

A poucos metros pode-se, ainda, visitar o momento construído em memória dos Sinti e Roma mortos pelos Nazis - Memorial to the Sinti and Roma Victims of National Socialism.

2. Brandenburger Tor
Esta porta neoclássica do final do século XVIII deverá ser a imagem mais conhecida de Berlim e outra passagem obrigatória. Passei por aqui algumas vezes e continuei a olhar para cima.

3. Gendarmenmarkt
Considerada uma das praças mais bonitas da cidade, Gendarmenmarkt, é absolutamente monumental.  Nela estão dispostos três grandiosos edifícios: a Sala de Concertos (Konzerthaus) ao centro, a Catedral Francesa num lado e a Catedral Alemã do outro.

4. Museumsinsel
A ilha dos Museus, reconhecida como Património da Humanidade pela UNESCO em 1999, alberga cinco museus que podem ser visitados por um preço especial (bilhete conjunto). Dos cinco, visitei o Pergamonmuseum e o Neues Museum. Se o primeiro apresenta-nos relíquias da cidade de Babilónia (como a belíssima Porta de Ishtar), exemplos de arte Islâmica e da Grécia Antiga, o segundo museu exibe artefactos egípcios.

5. Berliner Fernsehturm
Por quinze euros é possível ver Berlim em toda a sua extensão e beleza, através da torre de televisão construída pela República Democrática Alemã como símbolo comunista de Berlim do Leste. Com 368 metros de altura dispõe de um ponto de observação que nos deixa completamente apaixonados pela cidade.

6. East Side Gallery
Ir a Berlim e testemunhar com os próprios olhos a coleção de arte urbana presente no que resta do muro de Berlim, ao longo do Rio Spree, foi algo único. São 105 pinturas de artistas de todo o mundo com forte conotação política e humanitária.

7. Memorial to the Murdered Jews of Europe
De entrada livre, o museu e memorial apresenta uma área com 2.711 blocos de betão em memória das vítimas do Holocausto e as histórias de algumas das seis milhões de vítimas, através de cartas e postais que retratam o medo e a angústia vividos durante a Segunda Guerra Mundial.

 
No final do mês de maio e após ter acabado a faculdade em Copenhaga decidi tirar proveito da proximidade com a Alemanha e de dar um saltinho à capital, Berlim.

A escolha do hotel recaiu sobre o Scandic Berlin Kurfürstendamm, localizado numa rua paralela a uma famosa avenida de Berlim cheia de lojas de designers, restaurantes e das ruínas da Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche. A apenas 10 minutos do Zoo de Berlim e do trendy Bikini Berlim - um centro com showrooms e exposições.

Nos quatro dias, em que andei a passear pela maior cidade do país sozinha, dividi-me pelo itinerário que criei com a ajuda do site Lonely Planet (optei por não comprar um guia turístico, decidindo investigar através da internet) que me permitiu descobrir pequenas curiosidades sobre os vários distritos e lugares.

   

De igual modo, ao realizar uma bus tour pela cidade logo no primeiro dia fiquei com uma melhor percepção da verdadeira magnitude da cidade e dos seus pontos históricos - ou dos que restaram após os bombardeamentos da 2ª Guerra Mundial.

Nos restantes dias visitei os mais emblemáticos monumentos da cidade. Estes foram os meus preferidos:

1. Reichstag Palace
Embora não tenha entrado, colocar-me à frente do parlamento federal alemão era obrigatório. Mas, para quem queira subir à famosa cúpula de vidro pode fazê-lo inscrevendo-se, com antecedência, no site oficial do palácio.

A poucos metros pode-se, ainda, visitar o momento construído em memória dos Sinti e Roma mortos pelos Nazis - Memorial to the Sinti and Roma Victims of National Socialism.

2. Brandenburger Tor
Esta porta neoclássica do final do século XVIII deverá ser a imagem mais conhecida de Berlim e outra passagem obrigatória. Passei por aqui algumas vezes e continuei a olhar para cima.

3. Gendarmenmarkt
Considerada uma das praças mais bonitas da cidade, Gendarmenmarkt, é absolutamente monumental.  Nela estão dispostos três grandiosos edifícios: a Sala de Concertos (Konzerthaus) ao centro, a Catedral Francesa num lado e a Catedral Alemã do outro.

4. Museumsinsel
A ilha dos Museus, reconhecida como Património da Humanidade pela UNESCO em 1999, alberga cinco museus que podem ser visitados por um preço especial (bilhete conjunto). Dos cinco, visitei o Pergamonmuseum e o Neues Museum. Se o primeiro apresenta-nos relíquias da cidade de Babilónia (como a belíssima Porta de Ishtar), exemplos de arte Islâmica e da Grécia Antiga, o segundo museu exibe artefactos egípcios.

5. Berliner Fernsehturm
Por quinze euros é possível ver Berlim em toda a sua extensão e beleza, através da torre de televisão construída pela República Democrática Alemã como símbolo comunista de Berlim do Leste. Com 368 metros de altura dispõe de um ponto de observação que nos deixa completamente apaixonados pela cidade.

6. East Side Gallery
Ir a Berlim e testemunhar com os próprios olhos a coleção de arte urbana presente no que resta do muro de Berlim, ao longo do Rio Spree, foi algo único. São 105 pinturas de artistas de todo o mundo com forte conotação política e humanitária.

7. Memorial to the Murdered Jews of Europe
De entrada livre, o museu e memorial apresenta uma área com 2.711 blocos de betão em memória das vítimas do Holocausto e as histórias de algumas das seis milhões de vítimas, através de cartas e postais que retratam o medo e a angústia vividos durante a Segunda Guerra Mundial.

 

1 comentário

  1. Adorei ler um pouco mais das tuas dicas e da tua experiência...

    Berlim é mesmo uma cidade que gostava de visitar!!

    Novo post: https://abpmartinsdreamwithme.blogspot.com/2018/06/demi-lovato-um-sonho-tornado-realidade.html

    Beijinhos ♥

    ResponderEliminar

newer older Página inicial