about love and loss 一 call me by your name

. 05 março, 2018 .
"We rip out so much of ourselves to be cured of things faster than we should that we go bankrupt by the age of thirty and have less to offer each time we start with someone new." 一 Mr. Perlman


Call Me By Your Name é no meio de toda a poluição, de toda a dor, de tudo o que temos de pior a dar ao mundo, uma redenção.

Luca Guadagnino (realizador) remete-nos para aspetos visuais lindíssimos e carregados de simbolismo: as paisagens quentes de verão na província nórdica italiana e o inverno frio e nostálgico. Somos, do mesmo modo, acompanhados ao longo do filme por uma inexplicável irrequietação típica das longas férias com nuances de melancolia. 

O verão termina e, com a transição para tons mais frios, assistimos ao fatídico fim de um amor e a um dos monólogos mais assustadoramente sinceros sobre perda e sobre a vida que alguma vez poderia ter sido escrito - a cena partilhada entre o pai de Elio e Elio. É nesta altura que sentimos verdadeira compaixão pelas personagens e nos deixamos emocionar pelo desgosto e fragilidade do ser humano. 

É em filmes como este que é possível testemunhar a beleza do cinema em transformar histórias em Grandes Histórias, capazes de nos relembrar o nosso lado mais humano. 
"We rip out so much of ourselves to be cured of things faster than we should that we go bankrupt by the age of thirty and have less to offer each time we start with someone new." 一 Mr. Perlman


Call Me By Your Name é no meio de toda a poluição, de toda a dor, de tudo o que temos de pior a dar ao mundo, uma redenção.

Luca Guadagnino (realizador) remete-nos para aspetos visuais lindíssimos e carregados de simbolismo: as paisagens quentes de verão na província nórdica italiana e o inverno frio e nostálgico. Somos, do mesmo modo, acompanhados ao longo do filme por uma inexplicável irrequietação típica das longas férias com nuances de melancolia. 

O verão termina e, com a transição para tons mais frios, assistimos ao fatídico fim de um amor e a um dos monólogos mais assustadoramente sinceros sobre perda e sobre a vida que alguma vez poderia ter sido escrito - a cena partilhada entre o pai de Elio e Elio. É nesta altura que sentimos verdadeira compaixão pelas personagens e nos deixamos emocionar pelo desgosto e fragilidade do ser humano. 

É em filmes como este que é possível testemunhar a beleza do cinema em transformar histórias em Grandes Histórias, capazes de nos relembrar o nosso lado mais humano. 

4 comentários

  1. É uma obra prima. É dos melhores filmes que vi nos últimos anos, tudo me parece bom no filme, as cenas, as paisagens, os diálogos, os silêncios, as músicas, os actores. Tudo.
    Infelizmente nem toda a gente tem a sensibilidade necessária para apreciar este filme e por isso mesmo não tenha sido tão valorizado como o deve ser.

    ResponderEliminar
  2. Confesso que não adorei o filme achei-o muito longo e bem parado mas é só a minha perspetiva tendo em conta os restantes filmes nomeados aos Óscares que vi e que gostei mais. O que destaco neste filme é mesmo o ator principal mais novo achei a representação brilhante!!

    Novo post: http://abpmartinsdreamwithme.blogspot.pt/2018/03/ootd-72-black-pink.html

    Beijinhos ♥

    ResponderEliminar
  3. Este filme comoveu-me de uma forma que não esperava. A sinceridade nos diálogos, a simplicidade nos gestos, a intensidade dos olhares. É tudo simplesmente demasiado bonito e bem pensado.
    E a imagem!? A imagem é divinal.
    Ainda bem que o referiste e o deixaste aqui gravado <3

    ResponderEliminar
  4. Este filme é absolutamente incrível. Fico feliz por ver uma blogger portuguesa a falar sobre o Call Me by your Name. Ganhaste uma nova seguidora! :) beijinhos

    ___
    https://thenameisrita.blogspot.pt/2018/03/mindfulness-clear-your-mind.html

    ResponderEliminar

newer older Página inicial