the girl who kicked the hornet's nest

. 15 fevereiro, 2018 .
Desde o primeiro livro, a narrativa de Larsson manteve-se consistente no modo como apresentou os factos, as personagens e a multiplicidade de histórias secundárias que advém desses, conseguindo sempre surpreender e cativar o leitor. Pois, não só descreve os acontecimentos, como os mostra detalhadamente, possibilitando, assim, a submissão total do leitor às suas palavras. E é esse factor que distingue os bons dos maus autores. 

Quanto a The Girl Who Kicked the Hornet's Nest, Larsson, leva-nos, uma vez mais, até um universo repleto de personagens femininas extremamente fortes em carácter e em atributos narrativos.  São elas as vítimas, ou - até - malfeitores, ou simplesmente empurram a história para a frente e, por isso, o leitor teme, revela-se e apaixona-se por elas. 

Contudo, Larsson não descura as personagens masculinas, aliás, são estas que estabelecem relações entre personagens e revelam grande parte dos conflitos. Relembrando-nos, deste modo, que a trilogia Millenium não trata uma guerra de sexos, mas explora uma série de mistérios que se movem à volta da violência contra o sexo feminino, a difamação e desigualdade, espelhando uma sociedade igualmente marcada pelo mesmo perfil de acontecimentos. 

Sucintamente, esta trilogia, como um todo, acaba por se tornar num ímpar exemplo de ficção criminal, pela voz dada ao género feminino e pela abordagem narrativa objetiva e extensivamente detalhada. 


Pontuação: 4 de 5 estrelas (GoodReads)
Desde o primeiro livro, a narrativa de Larsson manteve-se consistente no modo como apresentou os factos, as personagens e a multiplicidade de histórias secundárias que advém desses, conseguindo sempre surpreender e cativar o leitor. Pois, não só descreve os acontecimentos, como os mostra detalhadamente, possibilitando, assim, a submissão total do leitor às suas palavras. E é esse factor que distingue os bons dos maus autores. 

Quanto a The Girl Who Kicked the Hornet's Nest, Larsson, leva-nos, uma vez mais, até um universo repleto de personagens femininas extremamente fortes em carácter e em atributos narrativos.  São elas as vítimas, ou - até - malfeitores, ou simplesmente empurram a história para a frente e, por isso, o leitor teme, revela-se e apaixona-se por elas. 

Contudo, Larsson não descura as personagens masculinas, aliás, são estas que estabelecem relações entre personagens e revelam grande parte dos conflitos. Relembrando-nos, deste modo, que a trilogia Millenium não trata uma guerra de sexos, mas explora uma série de mistérios que se movem à volta da violência contra o sexo feminino, a difamação e desigualdade, espelhando uma sociedade igualmente marcada pelo mesmo perfil de acontecimentos. 

Sucintamente, esta trilogia, como um todo, acaba por se tornar num ímpar exemplo de ficção criminal, pela voz dada ao género feminino e pela abordagem narrativa objetiva e extensivamente detalhada. 


Pontuação: 4 de 5 estrelas (GoodReads)

3 comentários

  1. Não conhecia mas fiquei super interessada. Beijinhos*

    ResponderEliminar
  2. Adorei a trilogia!!
    A Salander vai ficar para sempre na minha memória <3

    Beijinhos!
    https://messygazing.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

newer older Página inicial