4 of my favorite films

Vejo o cinema tanto como uma forma de arte, como de entretenimento, e embora não seja especialista e muito menos crítica, são raros os filmes que me deixam completamente rendida. Deste modo, neste momento só consigo distinguir 4 filmes que me fizeram pontuar com 5 estrelas - uns pelo enredo, outros pelo elenco e outros pela primazia dada à parte técnica. Esta minha forma de dar "notas", simplesmente traduz uma comparação (por vezes injusta) entre eles, pois conforme for vendo mais filmes, vou também exigindo mais.

Não pretendo que sejam apaixonados pelas mesmas longas metragens que eu, mas gostaria que conhecessem novas produções ou que olhem através dos meus olhos e os vejam de um outro modo. Nenhum dos quatro filmes tem alguma ligação aparente, até porque curiosamente são de diferentes géneros, e não são apresentados por ordem de preferência.
Aconselho, ainda, a irem buscar um chá para o beberem enquanto leem esta publicação gigante. 


ROMEO + JULIET [1996] //

A única adaptação cinematográfica de Romeo and Juliet que consegui ver de início ao fim, sem saltar partes  e sem desistir nos primeiros 20 minutos. Romeo + Juliet realizado por Baz Luhrmann retrata a tragédia romântica intemporal de Shakespeare através de novos olhos, numa fictícia Verona Beach dos anos 90. Luhrmann, embora respeite as características clássicas de uma peça dramática apela ao movimento, cor e sedução de um amor impossível. 

É nesta produção que as emoções de Romeo e de Juliet estão à flor da pele e os cenários dinâmicos e célebres puxam-nos para a ação ao ritmo dos versos de Shakespeare. Todo o filme é uma explosão de emoções e cores em planos contínuos e tanto o jovem Leonardo DiCaprio como Claire Danes trazem uma nova vida às personagens principais, relembrando-nos da nossa primeira paixão (platónica ou não), dos olhares trocados e da frustração dos desafios. 

Embora o desfecho fatídico deste romance seja conhecido é pela primazia da técnica e pela inteligência na adaptação dos diálogos - e pela quebra com o que havia sido feito - que Romeo + Juliet ganha um lugar eterno no meu coração de gelo - sou provavelmente a pessoa menos romântica à face da terra, mas derreto-me sempre com este filme.


LOVE AND OTHER DRUGS [2010] //

Com uma sinopse típica do género de comédia romântica, Love and Other Drugs aparenta ser um filme leve de domingo à tarde, mas toca em assuntos que nos levam a repensar a ética de certas identidades farmacêuticas e ainda o modo como se aborda as relações interpessoais. 

Edward Zwick, ao dirigir este filme, soube dar uso ao carácter cómico das personagens terciárias e aproveitou com destreza a química inquestionável entre Jake Gyllenhaal e Anne Hathaway, o par romântico. Enquanto Jake Gyllenhaal é Jamie Randall, um sedutor nato que conquista todas as mulheres e usa esse seu lado para vender farmacêuticos a várias clínicas e médicos, como representante comercial de um laboratório; Anne Hathaway é Maggie Murdock uma miúda conformada com o seu diagnóstico -  o de Parkinson -, que se recusa a deixar quem quer que seja aproximar-se dela. 

O que me impressionou neste romance foi exatamente a performance dos atores principais, tanto quanto o modo como Zwick “escreveu” as suas personagens, pois os diálogos nunca são previsíveis e genéricos e o argumento é interessante, bem como pertinente numa altura em que o utilitarismo e a superficialidade marcam a atualidade de algumas relações amorosas - a Comunidade Cultura e Arte escreveu um artigo de opinião relacionado com esta perspetiva.


AMERICAN BEAUTY [1999] //

Aclamado tanto por críticos como pelo público, American Beauty foi o primeiro filme do realizador Sam Mendes e retrata, de forma cínica, a vida de uma família de classe média americana, onde vivem todos de aparências, a família Burnham.  

Lester Burnham (Kevin Spacey), o pai da família, encontra-se em plena crise de meia idade, assim como a sua mulher materialista e frustrada. Aliás, encontram-se ambos frustrados consigo próprios e com o casamento de fachada que vivem. Se o modo como Lester explora a sua insatisfação é a fantasiar com a melhor amiga da filha adolescente, a sua mulher, Carolyn Burnham (Annette Bening), fá-lo envolvendo-se num romance extraconjugal, revelando a sua falsa moral, já que Lester é a única personagem que ao longo do filme vai assumindo a sua loucura e revolta. 

No decorrer desta longa metragem vamos percebendo a obsessão pela beleza, pelo sucesso e principalmente pela vontade de ser novamente jovem que o roteirista - e sinto a necessidade de o aplaudir pessoalmente -, Alan Ball, extrai da cultura americana. A parte técnica pela qual Sam Mendes ficou responsável, transporta-nos para a tensão do filme, pelos seus planos quebrados e o uso inteligente do zoom. 

É com American Beauty que conseguimos constatar a decadência moral de duas gerações distintas, a dos pais e a dos filhos, e o modo peculiar como as personagens são tão fieis à realidade.


INGLOURIOUS BASTERDS [2009] //

De todos os filmes de Tarantino, este terá que ser o meu preferido (nota: ainda não vi todos os filmes deste realizador). Inglourious Basterds transporta-nos para uma Europa assombrada pela guerra e pela ocupação nazi no ano de 1944, quando um grupo de judeus, liderado pelo tenente Aldo Raine (Brad Pitt), planeia assassinar os principais lideres políticos da Alemanha Nazi, que agora ocupa parte de França. Ao mesmo tempo que isto acontece, uma judia francesa e dona de um cinema (Mélanie Laurent), planeia algo semelhante. Só que nenhuma destas duas identidades sabe do esquema um do outro.

Acredito, pelo que conheço de Quentin Tarantino, que este filme só podia ter sido feito por ele. Mais ninguém teria a audácia e o humor, para fazer algo assim. Cenas longas, onde a história é incrivelmente detalhada e sublime, transformando uma missão impossível em algo aprazível e estimulante. As personagens, tal como o enredo, são intensas - resultado de um elenco admirável - e de certo modo, tal como em tudo o que é Tarantino, sádicas. É interessante como odiamos personagens mas, ao mesmo tempo, não nos queremos livrar delas assim tão facilmente e Inglourious Basterds dá-nos isso mesmo.

Comentários

  1. American Beauty é um dos melhores filmes de sempre! 😱
    Já viste a Lolita? Aborda um tema semelhante

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tentei vê-lo por duas vezes, mas não o consegui acabar...

      Eliminar
  2. Eu juro que adorei e concordei com a maioria das tuas opiniões. Destes 4, vi Love and Other Drugs e American Beauty e partilho imensas emoções e conclusões contigo. O love and other drugs é sem dúvida um filme que foge às comédias românticas e, se não estivermos super atentos, quase que nem percebemos as sublimes críticas e mensagens que ele passa, principalmente à indústria farmacêutica, como bem referiste. O Jake Gyllenhaal continua a ser o meu marido utópico!

    ResponderEliminar
  3. Vi os dois últimos e também me marcaram muito! Vou revê-los porque gostei muito de os recordar com as tuas palavras. Aiai Inês. Cada vez estou mais viciada no teu blogue. Gosto tanto do teu gosto mais alternativo!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário deixou-me super feliz! Obrigada, Joaninha. ♥️

      Eliminar
  4. Adoro o "Love and other drugs" também e da tua lista partilho o gosto pelo "Inglarious Basterds" <3
    Nunca vi o "American Beauty" e fiquei super interessada com o que disseste a respeito. Preciso ver!

    ResponderEliminar
  5. "Love and other drugs" é dos meus filmes favoritos de sempre, adoro mesmo!

    ResponderEliminar
  6. Ainda não vi nenhum, sou tão o desastre em pessoa. Vou já meter na listaaaa! SOS

    ResponderEliminar
  7. Não conheço nenhum deles, sou sincera, mas vou apontar para a minha watchlist!
    Adorei o blog, já segui :) beijinho

    The eyes of a Mermaid
    Instagram

    ResponderEliminar
  8. Adoroo o American Beauty e quero tanto ver o Love and other drugs! Gosto muito do teu blog, segui *

    thebrunettetofu.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  9. Ainda tenho de ver 'Love and Other Drugs' que está na minha lista há séculos! De resto, gostei muito de ler a tua opinião sobre cada um dos outros filmes. Já os vi e concordo totalmente. Inglourious Basters está extraordinário!

    ResponderEliminar
  10. A forma como elaboraste esta publicação em termos linguísticos está fantástica! Nem dei pelo tempo a correr! E podes ter a certeza de que, quando puder, verei cada um destes filmes!
    Beijinho!

    LYNE

    ResponderEliminar
  11. Tamb´+em adorei o Inglorious Bastards e a Beleza Americana. Que filmaços!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário